Ideias para discutir estilos de conflito com outras pessoas

Clique aqui para ir diretamente para sugestões para parceiros e equipes na discussão dos relatórios do Questionário Style Matters.

As pessoas adoram falar sobre conflito. Quando brigamos, contamos a história a um amigo. Temos um sentimento de conexão quando alguém nos confidencia uma briga. 

O conflito nos envolve em todos os níveis – emocional, intelectual, físico, espiritual. Estamos preparados para isso. Para nossos ancestrais, apenas aqueles que prestaram atenção ao conflito e descobriram as opções de suporte à sobrevivência viveram para transmitir seus genes e hábitos. Como seus descendentes, herdamos o conhecimento de que esta é uma conversa importante.

Portanto, o conflito, e o que fazer a respeito, é um dos tópicos mais interessantes e estimulantes que você pode abordar com outras pessoas.  Isso, se acharem seguro falar sobre isso.  Se você está pensando em iniciar essa conversa:

  • Pense na dinâmica de poder entre as pessoas na conversa É mais fácil para as pessoas se sentirem seguras com os colegas do que com alguém com muito poder sobre elas. Se já existe um histórico de confiança e segurança, não se preocupe com a dinâmica do poder. Mas, na ausência de tal retrospecto, não espere que os outros se abram rapidamente. Eles precisarão se aprofundar suavemente no tópico. Se houver um histórico de conflito entre os integrantes do grupo, não espere que as pessoas compartilhem abertamente informações sobre si mesmas ou seus relatórios de pontuação, e não peça que o façam sem uma preparação cuidadosa.
  • Seja o primeiro a se expor.   Quer você seja um instrutor ou um colega tentando envolver outras pessoas, pode ser necessário "ir primeiro" ao compartilhar suas lutas, dúvidas e sobre como lidou com o conflito. Se você estiver liderando um workshop, tenha algumas pequenas ilustrações de seus próprios fracassos em conflitos, prontas para o momento certo. “Ainda me lembro de como minha confiança em um líder de oficina mudou depois que ele nos contou uma história de como reagiu com raiva a seu filho e lhe deu um tapa na cara.” Se você é um indivíduo que deseja envolver seu parceiro ou equipe sobre conflitos, esteja pronto para compartilhar alguns exemplos de suas próprias reações exageradas.
  • Quando as pessoas compartilharem, facilite para elas assumirem o papel de solucionador de problemas.  Se você estiver ansioso para desempenhar esse papel, os outros recuarão com medo de serem humilhados. Quando as pessoas contam uma história, resista à tentação de oferecer sugestões (a menos que solicitado diretamente). Em vez disso, reaja de maneiras que os coloquem no papel de sábios. Pergunte, por exemplo: "O que você tirou dessa experiência?" Ou "Se você pudesse fazer as coisas de forma diferente hoje, como você lidaria com isso?" ou "Se você estivesse aconselhando alguém em uma situação semelhante, que conselho daria?" Você também pode convidá-los para uma análise de pontos fortes / fracos. Isto é: "Quais são as coisas que você acha que lidou bem nessa situação? Onde você acha que suas respostas poderiam ter sido melhoradas?"

Ideias para abrir conversas interessantes sobre conflitos

Aqui estão algumas perguntas que muitas pessoas gostam de compartilhar, em ambientes individuais, em workshops ou em discussões em pequenos grupos. Muitos delas também funcionam bem em situações de "buscando conhecer você"!

  • O que vem à sua mente quando ouve "Conflito"? (Ou que palavras lhe vêm à mente quando ouve a palavra "Conflito"?)
  • Em um espectro, com "Eu saio proconflito" de um lado e "Eu me afasto do conflito" do outro, onde você se localizaria? Por quê? Como você se sente sobre isso? Se você pudesse mudar seus hábitos e se posicionarem um lugar diferente nesse espectro, para onde você se mudaria? 
  • Quem é o melhor resolvedor de conflitos que você conhece? O que ele / ela fez de tão eficaz?   
  • Quem é o pior resolvedor de conflitos que você conhece? O que ele / ela fez de destrutivo?
  • Conte uma história sobre uma experiência de conflito – entre indivíduos ou em grupo – que foi muito frustrante para você. Possíveis perguntas de acompanhamento: Como você lidou com essa situação? Sua resposta foi única para aquela situação ou típica de como você lida com o conflito?
  • Você já teve uma experiência em que uma desavença ou conflito acabou trazendo bons resultados?
  • Como seus pais lidam/lidavam com o conflito? 
  • Quais eram as regras familiares em sua família sobre discordar ou brigar?
  • Como sua posição (filha(o) /irmã(o) /mãe-pai ...) na família afetou a maneira como você lida com os conflitos?
  • Qual era sua reputação quando criança quando se tratava de conflito? Isso era correto / preciso? Isso mudou quando adulto? Se sim, como? Isso écorreto / preciso?
  • Qual é a habilidade (ou insight) para lidar com conflitos que, se você pudesse agora, voltaria e daria a si mesmo quando criança?
  • Que valores, atitudes ou habilidades você possui que o ajudam a ser o tipo de pessoa que deseja ser em um conflito? O que você acha que impede que tal ocorra?
  • Cite uma organização que parece lidar construtivamente com as diferenças. O que está acontecendo lá para que eles consigam isso? 
  • Você já teve a experiência de ver outras pessoas (parceiros, grupos, instituições, documentários em vídeo, qualquer coisa) lidando de forma construtiva com um conflito que parecia assustador? O que fez a diferença nessa situação?   

Ideias para discutir o Relatório Pessoal do Style Matters

1. Discuta as pontuações no teste em pares ou trios. Faça isso em rodadas.   Ou seja, todos respondem às perguntas da Primeira Rodada e, em seguida, todos respondem às perguntas da Segunda Rodada.  Se você deseja obter uma revisão rápida da estrutura de estilos de conflito primeiro, consulte este PowerPoint "Introdução aos estilos de conflito"

    Primeira rodada

  • Compartilhe seus resultados de pontuação, especialmente seus altos em Estresse e seus baixos em Situação de Calma.
  • Compartilhe brevemente uma experiência de conflito da qual você fez parte. Comentário: Os resultados da pontuação correspondem à sua resposta na vida real?

    Segunda rodada

  • Quais são os pontos fortes de seus resultados?
  • Onde você gostaria de mudar ou melhorar?
  • Mudança em situação de Estresse? Se seus números sugerem uma mudança significativa no estilo de calma para estresse, você está ciente de que essa mudança ocorreu? Quais são os fatores mais prováveis de desencadear essa mudança em você? Como a mudança afeta outras pessoas?

2. Reúna-se em pequenos grupos de pessoas de estilo semelhante. Por exemplo, em um grupo está Competitivos, em outro Colaborativos, etc. Se você tiver pontuações quase iguais em dois estilos, escolha o estilo que parece lhe causar mais dificuldades. Discuta as informações das páginas acima sobre o estilo de seu grupo específico. Gire pelo pequeno grupo e dê a cada pessoa a chance de refletir sobre si mesma:
• Quais pontos fortes do estilo você vê presentes em sua maneira de lidar com a vida e com os relacionamentos?
• Quais pontos fracos ou custos do uso excessivo você vê?
• Quais sugestões de "apoio ao parceiro" você considera especialmente aplicáveis a você?
Quando você se reunir na plenária, com todos os estilos presentes, peça a cada pequeno grupo que dê um resumo de suas percepções para todo o grupo, para que os outros possam aumentar sua compreensão de cada estilo.

3. Pessoas que moram ou trabalham juntas se beneficiam muito de conversas sobre seus estilos.
Uma sugestão de sequência de discussão:
• Compartilhe pontuações entre si.
• Reflita sobre as pontuações, com cada pessoa respondendo às perguntas do item 2 acima.
• Lembre-se de uma época em que surgiram diferenças entre vocês. As pontuações refletem como você realmente respondeu?
• Cada pessoa pode refletir em voz alta, na presença de outras pessoas, quais das “Dicas Interessantes” eles gostariam que outras pessoas usassem para ajuda-la a encontrar sua melhor versão?

4. Peça a alguém que o conheça bem para fazer o teste "por" você, como se fosse você respondendo às perguntas. Para obter uma imagem realmente abrangente, peça a várias pessoas que façam isso por você. Em seguida, compare suas próprias pontuações com as pontuações dadas por outros. Onde as pontuações concordam? Onde eles diferem? Nas organizações, que realizam "feedback 360", peça que as pessoas acima, abaixo e no mesmo nível que você,completem o teste por você; isso fornece feedback amplo considerando todos os lados.

5. As pessoas em equipes e organizações serão recompensadas discutindo o impacto dos estilos em tempos de negociação ou tomada de decisão. Cada estilo tem preferências diferentes de como fazer as coisas (por exemplo: quão direto e aberto ser ao declarar preferências; quanto tempo de construção de relacionamento incluir na tomada de decisões; com que rapidez tomar decisões etc.) Discuta: Quais insights obtivemos em nossos processos de tomada de decisão coletiva olhando para essas pontuações? Quais as dificuldades que encontramos? Como melhorar a tomada de decisões no futuro?

6. Se não houver tempo ou disposição para discutir o relatório completo, os parceiros ou equipes podem fazer uma troca útil com base apenas na seção de Suporte ao Parceiro. Cada pessoa analisa por conta própria as sugestões na seção Suporte ao Parceiro de seu próprio relatório de pontuação. Elas destacam sugestões de que gostam, coisas que gostariam que outras pessoas fizessem por eles ao trabalharem juntos. Elas as editam e adicionam conforme acharem adequado, criando um conjunto de sugestões de Suporte ao Parceiro para outras pessoas. Eles então as compartilham, oralmente ou por e-mail, para o benefício de outras pessoas. 

Isso é mais produtivo e impactante se feito oralmente, face a face, com possibilidade de fazer perguntas esclarecedoras e responder. (Se houver um histórico de dificuldade entre as pessoas do grupo, evitar essas alternativa)

7. Pessoas em equipes e organizações se beneficiam ao discutir combinações de estilos difíceis. Muitos conflitos aumentam porque as pessoas envolvidas têm preferências por estilos diferentes e, portanto, preferem abordagens diferentes para lidar com as diferenças. Por exemplo, os Competitivos e Colaborativos querem colocar as coisas para fora e falar sobre elas agora, enquanto os Evasivos preferem dar um passo atrás e pensar sobre as coisas primeiro. Cada um tende a presumir que pessoas "boas" usariam a abordagem que preferem. Como resultado, agora existem duas fontes de tensão - uma sobre os problemas e outra sobre como lidar com os problemas!

Com outras pessoas em sua equipe ou organização, identifique pares específicos de estilos que geralmente causam dificuldades. Pense nos conflitos recentes. De que forma as expectativas de estilo influenciaram? Que percepções as pessoas podem trocar sobre as necessidades dos estilos envolvidos que facilitariamo tratamento de conflitos futuros?

8. Se o seu grupo tem pessoas de origens culturais individualistas e coletivistas (consulte a Nota 1 primeiro na página 24), você pode ter uma discussão esclarecedora. Separe-se em pequenos grupos apenas de individualistas ou apenas de coletivistas. Peça a cada grupo para criar uma imagem que mostre um conflito que alguém em seu grupo vivenciou desenhando veículos como a parte principal do desenho. Faça com que cada grupo compartilhe com o grupo maior: Que tipo de veículos eles escolheram para seus grupos e por quê? Quem está dirigindo os veículos? Quem mais está na imagem e com que conexões com os conflitantes? Que fatores os conflitantes consideraram ao decidir como responder ao conflito? Quando todos os grupos tiverem compartilhado, reflita como um grupo inteiro: Que percepções você obtém sobre as diferenças entre conflitos individualistas e coletivistas?

9. Aqui está uma discussão para configurações de grupo que inspira esperança:
Selecione duas pessoas que trabalhem juntas e tenham estilos diferentes, mas que se conheçam bem e confiem uma na outra. Faça-os falar na presença de todo o grupo sobre suas diferenças de estilo, como eles se veem, como aprenderam a trabalhar e respeitar os padrões únicos uns dos outros para lidar com conflitos.